artigo
imprimir

Doença renal diabética: o que é?

A diabetes mal controlada pode provocar problemas nos seus rins, a que se dá o nome de doença renal diabética. Hoje vamos falar sobre o que é e sobre o que pode fazer para a prevenir.

Patrocinado por

Para compreender o que é a doença renal diabética é necessário, antes de mais, falar sobre o rim. O rim é um órgão responsável por «limpar» o nosso organismo, pois filtra as substâncias tóxicas que circulam no sangue. Essas substâncias são libertadas pelas células para o sangue, resultado das reações químicas que ocorrem quando as células processam os nutrientes. No fundo, o rim promove a libertação dos «excessos» do nosso organismo, através da formação de urina, que é armazenada na bexiga e eliminada.

 

Além disso, o rim participa também nos seguintes processos:

 

  • Controlo da pressão arterial, através da libertação de uma enzima chamada renina;
  • Ativação de vitamina D;
  • Controlo da produção de glóbulos vermelhos, através da produção de uma hormona: a eritropoietina.

O que é a doença renal diabética?

A doença renal diabética engloba as doenças do rim que são causadas pela diabetes. A diabetes, especialmente associada a vários anos de evolução ou a um mau controlo glicémico, vai danificar os vasos sanguíneos do rim e, consequentemente, o seu funcionamento. Normalmente falamos de nefropatia diabética e doença renal crónica.

 

As complicações da diabetes podem ser micro ou macrovasculares, consoante afetem, respetivamente, pequenos ou grandes vasos sanguíneos. A nefropatia diabética é considerada uma complicação microvascular da diabetes. E esta pode, por sua vez, evoluir para doença renal crónica.

 

Segundo a American Diabetes Association (ADA), 20 a 40% dos doentes diabéticos vão apresentar nefropatia diabética. Sendo uma prevalência significativa, é muito importante estar alerta para esta complicação e, sobretudo, fazer o que está ao seu alcance para a prevenir.

artigo

224.

Doença renal crónica: o que é?

O que pode fazer para prevenir esta complicação?

Se tem diabetes é fundamental fazer um controlo anual da função dos rins através de análises ao sangue e à urina. Ou seja, as idas regulares ao seu médico assistebre são essenciais para o controlo da doença e para a prevenção das suas complicações.

 

Na diabetes, o tempo de evolução da doença é um fator importante no aparecimento de complicações. No entanto, o controlo de outros fatores está nas nossas mãos, nomeadamente:

 

Controlo glicémico

 

O controlo do açúcar no sangue (glicemia) é a chave para evitar a doença renal diabética. Níveis elevados de glicemia podem aumentar o risco de desenvolver complicações. Ou seja, a hiperglicemia está intimamente ligada às lesões renais pelo que o controlo da glicemia é fundamental.

 

Controlo da tensão arterial

 

Ter a tensão arterial alta e descontrolada acaba por sobrecarregar o rim e contribuir para o desenvolvimento de lesões renais. Os valores de tensão arterial devem ser, idealmente, inferiores a 140/90mmHg. Assim sendo, caso os seus sejam superiores, deve consultar o seu médico de família.

 

Cessação tabágica

 

Ser fumador é um fator de risco para vir a desenvolver doença renal entre outras doenças. Se tem a motivação para deixar de fumar, mas ainda assim precisa de ajuda, procure o seu médico ou farmacêutico.

 

Manter hábitos saudáveis

 

Para o controlo e prevenção, quer da diabetes quer da doença renal, deve ainda:

 

  • Cumprir uma dieta equilibrada e saudável, ou seja, pobre em hidratos de carbono e em sal;
  • Praticar atividade física regular (150 minutos por semana);
  • Manter um peso saudável;
  • Manter bons hábitos de sono ( 7h a 8h por noite).

 

Fontes

Referências

  • Dynamed
  • National Institude of Diabetes and Digestive and Kidney Disease
artigo
imprimir
anterior seguinte