Pub
Pub
artigo
imprimir

Há suplementos para ajudar a tratar a diabetes?

A diabetes exige uma dieta planeada e cuidadosa. Com a crescente popularidade do uso de suplementos alimentares, terão eles algum papel no tratamento da diabetes?

A diabetes é caracterizada pela incapacidade do nosso corpo em regular os níveis de açúcar no sangue, cuja principal fonte são os hidratos de carbono que ingerimos. Como tal, o tratamento da diabetes passa sempre por uma dieta equilibrada e rigorosa, pobre em hidratos de carbono. Os cuidados alimentares devem ser a abordagem principal, juntamente com a prática regular de exercício físico e o uso de medicação prescrita pelo médico. Mas será que há suplementos para tratar a diabetes ou que possam ajudá-lo no tratamento?

 

Os suplementos alimentares disponíveis no mercado são, muitas vezes, alvo de curiosidade por parte dos diabéticos. É natural que surjam dúvidas como «será que ajudam a diminuir os níveis de açúcar no sangue?», «terão algum benefício no tratamento da diabetes?».

 

Por isso vamos focar-nos nas diversas opções disponíveis, nomeadamente as mais comuns, bem como se existe ou não evidência científica que suporte o seu uso.

Suplementos: o que são?

Suplementos alimentares são complementos à dieta habitual. Quando falamos em suplementos alimentares podemos dividi-los em vitaminas e minerais, ácidos gordos, especiarias e produtos de ervanária. Segundo a American Diabetes Association (ADA), metade da população diabética americana toma suplementos dietéticos, o que reforça a importância de saber exatamente se há benefícios ou malefícios no seu uso.

Tomar ou não tomar suplementos para tratar a diabetes?

Antes de avançarmos para cada grupo de suplementos  é importante sublinhar que nenhum suplemento substitui a medicação prescrita pelo seu médico. Antes de tomar qualquer suplemento deve pedir opinião ao seu médico, bem como informá-lo caso já consuma algum.

 

Agora, avaliando grupo a grupo:

 

– Vitaminas e minerais

 

De uma maneira geral, não é recomendada nenhuma toma suplementar de qualquer vitaminar ou mineral, a não ser que haja um défice nutricional. Ou seja, quando, através de análises ao sangue, se comprova que os valores de determinada vitamina estão baixos. Normalmente, esses défices ocorrem em grupos de risco, como grávidas, vegetarianos ou idosos, que devem ser vigiados.

 

Existem estudos relativos à suplementação com vitamina D, zinco, crómio e magnésio, que demonstram alguma eficácia na redução dos níveis de açúcar no sangue, mas não são consistentes o suficiente para apoiar a sua recomendação. À semelhança da população geral, a American Diabetes Association (ADA) apenas recomenda a toma extra de vitaminas e minerais em diabéticos com défices nutricionais.

 

No caso da diabetes, para quem toma metformina (medicamento extensamente utilizado no tratamento da doença) há muito tempo é recomendada a vigilância periódica dos níveis de vitamina B12. Isto porque existe uma associação do uso prolongado de metformina com o risco de défice de vitamina B12, por sua vez relacionado com complicações como anemia (níveis baixos de hemoglobina no sangue) ou neuropatia (lesões nos nervos). Assim sendo, Sintomas como cansaço, falta de força, formigueiro e perda de sensibilidade nos pés, pernas ou mãos, devem chamar a atenção para este problema e ser comunicados ao médico.

artigo

133.

5 aspetos a saber sobre a metformina

– Ácidos Gordos

 

Na alimentação devem ser incluídos alimentos ricos em ácidos gordos, principalmente ómega-3, pois são benéficos na prevenção de problemas cardiovasculares. No entanto, a sua suplementação não tem evidência na diabetes, a não ser que que haja um défice evidente, como acontece nas vitaminas e minerais.

 

– Especiarias e outros alimentos

 

Algumas especiarias e outros alimentos (como por exemplo a canela, o alho, a stevia ou a batata doce branca) podem mostrar alguma potencialidade em reduzir a glicemia em jejum. No entanto, as evidências científicas disponíveis não são suficientes para que estes suplementos sejam considerados eficazes ou sejam recomendados no tratamento da diabetes.

 

– Produtos de ervanária

 

Tal como as especiarias, produtos herbais como o ginseng, o feno grego e a berberina, muito populares por mostrarem algum benefício em diminuir o açúcar em jejum, não são aconselhados para o tratamento da diabetes. A American Diabetes Association (ADA) não recomenda o uso de suplementos de ervanária.

Em jeito de conclusão…

Não existem evidências suficientes do ponto de vista científico que comprovem a eficácia do uso de suplementos para tratar a diabetes. Uma alimentação equilibrada e exercício físico, aliados ao uso de medicação (que pode ser a toma de antidiabéticos orais ou insulina), deve ser a principal estratégia adotada para controlar os níveis de glicemia.

 

A suplementação vitamínica só deve ser realizada caso haja níveis baixos de vitaminas no sangue. No caso específico da diabetes, o uso prolongado de metformina (um antidiabético oral muito popular na diabetes) aumenta o risco de défice de vitamina B12, pelo que devem ser vigiados os níveis e os possíveis sintomas.

 

Por fim, caso tenha interesse em tomar algum suplemento ou reforçar algum alimento na sua dieta pelos seus potenciais benefícios, deve consultar o seu médico antes de o fazer. Porquê? O seu médico irá verificar se existem interações entre os suplementos e os medicamentos que toma, não só os da diabetes como para outras doenças, que poderiam trazer problemas para a sua saúde.

Fontes

Referências

  • Dynamed
  • Yilmaz Z, et al, 2016
  • Behrouz V, et al, 2020
  • American Diabetes Association (ADA)
artigo
imprimir
anterior seguinte