artigo
imprimir

Pé diabético: uma complicação comum da diabetes

O pé diabético é uma das complicações mais frequentes da diabetes, mas será que sabe ao certo o que é?

As pessoas com diabetes podem desenvolver um conjunto de complicações nos pés, conhecidas na sua generalidade por «pé diabético». Estas podem decorrer de lesões nos nervos, alterações na circulação sanguínea das extremidades dos membros inferiores e de deformidades nos pés e respetivos dedos. Por vezes, problemas aparentemente simples podem ter consequências mais sérias, como o aparecimento de úlceras ou, em casos extremos, levar à amputação.

Qual o impacto do pé diabético?

O pé diabético é considerado uma das complicações mais graves da diabetes. Estima-se que cerca de um quarto de todas as pessoas com diabetes apresente condições favoráveis ao aparecimento de lesões nos pés.

 

Além disso, a diabetes é um dos principais motivos de ocupação de camas de hospital por períodos prolongados e é também responsável por uma número significativo de amputações por causas que não sejam traumas. Em Portugal, em 2015, o número de pessoas internadas devido a pé diabético foi de cerca de 1643 casos, tendo-se estimado 1250 amputações dos membros inferiores por motivo de diabetes, apesar de se existir uma diminuição significativa face a anos anteriores.

Porque é que as pessoas com diabetes têm complicações nos pés com maior frequência?

O pé diabético surge normalmente como consequência de neuropatia diabética, ou seja, de danos nos nervos que conduzem a dor, sensação de picadas, formigueiro ou queimadura. Ao longo do tempo, aparece também perda de sensibilidade à dor e às variações de temperatura. Ou seja, o doente não se apercebe de um dano no pé por não sentir dor: não retirar de imediato o pé de água quente, não sentir uma bolha de fricção ou ferir o pé com calçado apertado.

 

Alterações na circulação de sangue do pé fazem com que possíveis ferimentos sejam mais difíceis de cicatrizar e que exista uma maior facilidade para sofrer infeções.

 

Além disso, os diabéticos têm tendência para que a pele dos pés seja mais seca do que o normal, com tendência a abrir fissuras. Isto acontece porque os nervos que controlam a secreção de gordura na pele do pé não estão a funcionar normalmente. O desenvolvimento de calos é também comum, assim como, mais uma vez devido à neuropatia, um formato alterado dos pés e dedos.

 

quiz

38.

Acha que sabe como prevenir o pé diabético?

A que devo estar atento para prevenir o pé diabético?

  • Tome medidas quanto aos fatores que podem agravar a condição dos pés, como, por exemplo, valores de glicemia não controlados, fumar ou presença de doença arterial periférica (obstrução da circulação sanguínea devido aterosclerose);

 

  • Cuide dos seus pés e inspecione regularmente a sua condição (deformações, calos, feridas, infeções). Use calçado adequado, seque e hidrate a pele corretamente após a sua higiene, cuidando adequadamente de possíveis calos e unhas com a ajuda de profissionais;

 

  • Considerando que cerca de metade dos doentes com neuropatia têm sintomas: se os doentes forem capazes de os reconhecer, ao mesmo tempo que implementam cuidados preventivos, o risco de lesão poderá ser reduzido. Esteja atento!

 

  • Está demonstrado que o rastreio sistemático do pé diabético leva a uma diminuição importante do número de amputações dos membros inferiores, como uma melhoria comprovada da qualidade de vida. Procure informar-se sobre os mesmos junto do seu centro de saúde.

 

  • O exame periódico ao pé inclui a avaliação da condição da pele, deformações do pé, sensibilidade e circulação sanguínea.
artigo

65.

O que é a neuropatia diabética?

Junte-se à comunidade Diabetes 365º!

Fontes

Referências

  • Boulton, et al, 2018
  • Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD)
  • American Diabetes Association (ADA)
  • DireçãoGeral de Saúde (DGS)
artigo
imprimir
anterior seguinte